Falta de recursos cirúrgico e condições insalubres no hospital regional de Betim coloca pacientes em risco

Foto: TV Band/ Reprodução

A realidade que os médicos neurocirurgiões e funcionários do Hospital Público Regional de Betim (HPRB) enfrentam, em relação aos recursos para realizar cirurgias, são caóticas. A falta de materiais na unidade hospitalar é constante, além das condições do bloco cirúrgico do pronto-socorro, que é insalubre e carregado de mosquitos e baratas.

Segundo um médico-cirurgião do pronto-socorro, faltam recursos fundamentais para a execução das cirurgias, além das condições insalubres do local. ” O material que acaba não está sendo reposto. Faltam cateter de monitoramento de pressão intracraniana, sistema de derivação ventricular externa (fundamental para o tratamentos de alguns casos de AVC hemorrágico) e hemostático (para estancar as hemorragias). Fora isso, trabalhamos em condições insalubres. Como não há dedetização adequada, o bloco cirúrgico do pronto-socorro, que há anos não conta com um ar-condicionado, está repleto de mosquito e baratas”, disse.

Na última terça-feira, os funcionários da unidade hospitalar publicaram em uma rede social os problemas frequentes que ocorrem no local, dizendo que no momento não havia cateter no hospital. “Realmente não havia cateter no dia, mas o problema foi resolvido no mesmo dia, depois que o hospital conseguiu o empréstimo do equipamento de outra unidade do SUS. “Não houve prejuízo a nenhum paciente, pois ninguém precisou do cateter no dia”, disse um neurologista.

 

Curta essa Matéria